17 de nov de 2015

Falta de vacina anti-tetânica é realidade nacional assim como diversas outras vacinas e soros.


A Secretaria Estadual de Saúde (SES) enviou nota técnica a todos os municípios do estado do Rio de Janeiro, informando que está com os quantitativos das vacinas DTP, DT e Triviral comprometidos não só a nível estadual quanto nacional. De acordo com a SES, a situação deve ser regularizada a partir do dia 11 de setembro, próxima quarta-feira. No entanto, o município reservou um estoque dessas doses para os casos de emergência. Elas estão disponíveis na sala 5 da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e no Hospital Ferreira Machado. A nota diz:


 “Após inúmeras tentativas de atenuar os cortes e o envio destes imunos às Secretarias Municipais de Saúde (SMS), informamos que estaremos liberando essas vacinas, através de cotas, após cada envio desses imunobiológicos pela Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (CGPNI/MS), a partir da rotina de setembro até que a situação seja normalizada”.

A vacina tríplice bacteriana de células inteiras (DTP) protege a criança contra três doenças graves: difteria, tétano e coqueluche. A DT é a vacina contra tétano e difteria e a triviral (VTV) protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

O diretor de Vigilância em Saúde da SMS, Charbell Kury, explicou que, ainda assim, o município continuou fazendo suas solicitações de vacinas, mesmo sabendo que receberia somente a cota estipulada. Estas solicitações servirão como base do dossiê a ser enviado à CGPNI, e vão ajudar o estado a solicitar um possível aumento da cota Estadual.

- Como fizemos uma Campanha Nacional de Multivacinação no final do mês de agosto, em que cerca de 16 mil crianças (21 mil doses) de até 5 anos de idade foram convocadas para atualizarem o cartão de vacina, ficamos apenas com 30% da nossa real necessidade. Como informa a nota técnica, essas vacinas estão com estoque baixo em todo o Brasil. Em relação à vacina contra catapora, não existe falta e já imunizamos cerca de 8 mil crianças contra essa doença – disse Charbell.

A nota do estado ainda afirma: “Não abriremos exceções para liberações extras. Por isto, solicitamos que as SMS otimizem suas cotas quando da distribuição dessas vacinas nos postos”.

As demais vacinas especiais que Campos oferece desde 2010, de forma pioneira e gratuita, por meio do Programa Municipal de Imunização, estão com os estoques regularizados. A vacina contra catapora está disponível na sala 5 da Secretaria de Saúde, no Centro da cidade. A vacina contra Hepatite A está disponível nos polos 1 e 2 do Centro de Referência e Tratamento da Criança e do Adolescente (CRTCA) e na sala 5 da Secretaria; enquanto a antipneumocócica (Prevenar) é disponibilizada em todas as unidades de saúde. As doses contra HPV também são distribuídas na sede da Secretaria de Saúde e nas unidades escolares por meio do Programa Saúde na Escola. Tendo o modelo de Campos como referência, o Ministério da Saúde anunciou que vai implantar a vacina contra catapora a partir deste mês.
nota oficial do governo do estado do Rio de Janeiro: 
Mensagem SVEA/CVE/GI nº 001/2013 Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013 
Prezados Coordenadores, Como é do conhecimento de todos, estamos com os quantitativos das vacinas DTP, dT e Triviral comprometidos não só a nível estadual quanto nacional. Após inúmeras tentativas de atenuar os cortes e o envio destes imunos às SMS e tendo em vista: que a CGPNI/MS está fazendo as liberações baseando-se em população alvo + estoque estratégico; que a CGPNI/MS está avaliando as doses aplicadas; que a CGPNI/MS está trabalhando com cotas mensais dessas vacinas; que não obtivemos indicação de quando essa situação será normalizada; que as solicitações municipais estão muito acima do que seria necessário para cobrir a meta mensal de população a ser vacinada; que o número de doses liberadas pelo Estado é muito divergente do número de doses aplicadas, mesmo considerando as perdas técnicas de cada imunobiológico; que o número de salas de vacina que consta nos boletins de solicitação de imunobiológicos não condiz com o número de salas com informação no APIWEB; Informamos que estaremos liberando essas vacinas, através de cotas (planilha) após cada envio desses imunobiológicos pela CGPNI/MS, a partir da rotina de setembro até que a situação seja normalizada. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Lembramos que será importante a melhoria da informação de doses aplicadas no APIWEB e, ainda, que não abriremos exceções para liberações extras. Por isto, solicitamos que as SMS otimizem suas cotas quando da distribuição dessas vacinas nos postos. Pedimos, ainda que as SMS continuem a fazer suas solicitações no MMI mesmo sabendo que receberá somente a cota estipulada. Estas solicitações servirão como base do dossiê a ser enviado à CGPNI, solicitando um possível aumento da cota Estadual. Lamentando a situação e esperando a compreensão de todos. Subscrevo-me, atenciosamente. Claudia Abreu da Costa Gerente de Imunizações Matrícula 191355-7 GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES Rua México, nº 128 – 4º andar – Sala 410– Castelo – Rio de Janeiro / RJ – Brasil – Cep 20.031-142
Nota: Segundo consta em diversos relatos de colegas a situação continua critica para diversas vacinas e soros e=no Estado assim como no Brasil, solicito aos colegas que trabalhem com as vacinas e soros que relatem a situação deste momento, 
fonte: http://www.campos.rj.gov.br/exibirNoticia.php?id_noticia=20541

Nenhum comentário:

Postar um comentário