25 de mai. de 2020

Anvisa alerta sobre falsificação de vacina contra gripe

    A Anvisa alerta que foram identificados três casos de falsificação da vacina Fluarix Tetra, da empresa GlaxoSmithKline Brasil (GSK), utilizada para prevenir a influenza ou gripe.
     A vacina falsificada é vendida na apresentação frasco-ampola multidose, ou seja, um frasco que permite que varias doses sejam retiradas e aplicadas em diversas pessoas, conforme a figura 3.


A vacina Fluarix Tetra original da GSK é produzida e comercializada em embalagem que contém uma seringa preenchida com dose única, agulha, estojo plástico (para acondicionamento da seringa e da agulha), bula e cartucho, conforme imagem da Figura 1.

A empresa GSK também fabrica a Fluarix com dez doses, porém a embalagem contém dez seringas preenchidas, conforme a Figura 2.

 

 

No dia 4 de maio, foi publicada no Diário Oficial da União (D.O.U.) a Resolução Específica (RE) 1.319/2020, que determinou a apreensão e a inutilização dos produtos falsificados, bem como a proibição da sua comercialização, da sua distribuição e do seu uso. 

Se você encontrar a vacina Fluarix Tetra da GSK em frasco-ampola multidose, esteja certo de que se trata de falsificação e, portanto, a vacina não deve ser utilizada. Nesse caso, entre em contato com a Anvisa, via Notivisa, ou com o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) da GSK, por meio do telefone 0800 701 22 33 ou do e-mail sac.brasil@gsk.com. 

matéria publicada:

http://www.cff.org.br/noticia.php?id=5773&titulo=Anvisa+alerta+sobre+falsifica%C3%A7%C3%A3o+de+vacina+contra+gripe

LABORAFE realiza testes para detectar COVID-19 em Duque de Caxias e na Barra da Tijuca

    Laboratório de Análises Clínicas da Unigranrio - LABORAFE, está realizando dois tipos de testes para detectar COVID-19.
    O teste imunológico IgG/IgM (quantitativo), o exame pode ser realizado em todos os pacientes, considerando que existe a possibilidade de ausência de sintomas, ou a partir do 8º dia do início dos sintomas para diagnosticar o COVID-19, resultado será liberados em até três dias úteis. 
    O segundo é o Teste Rápido, voltado para detecção das frações IgG/IgM (qualitativo), o resultado será liberado no mesmo dia, via internet ou presencialmente.

Endereços para a coleta:


PDC SAÚDE CAXIAS: Avenida Brigadeiro Lima e Silva n° 1783
Horário de 2° a 6° Feira de 7:00 às 11:00 horas

PDC Barra da Tijuca:  Avenida Ayrton Senna, 3.383, Bloco II, Loja 140 a 143, e sala 10,  Barra de Tijuca (RJ)
Horário de 2° a 6° Feira de 7:00 às 10:40 horas.

LABORAFE: Rua General Venâncio Flores, s/n 
Horário de 2° a 6° Feira de 7:00 às 12:00 horas
TELEFONE PARA MAIORES INFORMAÇÕES: 2672-7732 ou 2672-7739




23 de jan. de 2020

Laborafe, 29 anos de excelência laboratorial

Esta logomarca é sinônimo de excelência laboratorial em Duque de Caxias, pois foi assim que foi avaliado pelo Programa Nacional de Controle de Qualidade - PNCQ, nos últimos 29 anos consecutivos.


Nestes últimos anos a Unigranrio investiu na expansão do Laborafe através de 2 novos postos de coleta, dentro das unidades da PDC em Duque de Caxias e na Barra da Tijuca.

O Laborafe está sempre em busca de novas tecnologias e iniciamos o ano  2020  incorporando a tecnologia da Ortho Clinical Diagnostcs através do equipamento Vitros 4.600 de última geração e que utiliza química seca,  não necessitando utilizar água para realizar as dosagens, proporcionando exames precisos além de uma grande economia de água. Desta forma estaremos contribuído na preservação do nosso meio ambiente.

Estamos prontos para oferecer a nossa comunidade exames de qualidade, utilizado-se da mais alta tecnologia laboratorial disponível e com profissionais qualificados e treinados.


O Laborafe é fruto de constantes investimentos realizado pela UNIGRANRIO com o intuito de oferecer campo de estágio aos seus acadêmicos e serviços de primeira qualidade para sua comunidade, seja através do SUS e particulares no Campus I de nossa universidade, Endereços Laborafe:

=> Campus I Duque de Caxias, entrada pela rua General Venâncio Flores S/Nº, telefone 2672-7728. atendimento SUS, Particulares e Convênios.
=> PDC Barra da Tijuca, Avenida Ayrton Senna 3383 - Barra da Tijuca telefone 3780-2500 Particulares e Convênios.
=> PDC Duque de Caxias, Avenida Brigadeiro Lima e Silva, 1783 - 25 de Agosto,  telefone 3780-2500. Particulares e Convênios.

Obs.:Aceitamos convênios com empresas para exames admissionais e demissionais entre outros, com resultado para o mesmo dia, maiores informações para conveniar o Laborafe pelo telefone 2677-7728 ou 2672-7732 ou pelo e-mal laborafe@unigranrio.com.br



Equipe Técnica Laborafe:

Direção Geral Prof. José Roberto Lannes Abib

Corpo Clinico: 

=> Dra Rosangela Oliveira Damasceno
=> Dra Alessandra Nascimento da Silva
=> Dra Amanda de Melo Souza
=> Dra Jussara Braz de Oliveira
=> Dra Natalia Dantas do Vale de Lima
=> Dr. José Roberto Lannes Abib
=> Carlos Eduardo Pontes Graça

Equipe de Apoio:

=> Sabrina Rangel Lima
=> Crislainy Alves de Barros

Postos de Coletas:

PDC Duque de Caxias

=> Dra Clarisse Macedo Mota

PDC Barra da Tijuca 

=>Dra Gabriela de Oliveira Evaristo

7 de nov. de 2019

Audiência Pública sobre a PEC 108/2019

Nesta terça-feira (05/11), Estive presente na Câmara dos Deputados em Brasília,  juntamente com o Diretor Secretario Geral do CRF-RJ Dr. Ricardo Lahora, participando da audiência pública realizada no Plenário 1 do Congresso Nacional, para debater a Proposta de Emenda Constitucional 108/2019 (PEC108/2019) que trata da natureza jurídica dos Conselhos de Classe, Estiveram também presentes, os representantes do CFF e CRFs de todo o Brasil, assim como representantes de outros Conselhos Profissionais.


Durante a audiência publica os representantes dos Conselhos fizeram uma defesa exaustiva do trabalho realizado incansavelmente pelos conselhos de Classe, para regulamentar e fiscalizar em pool de nossa sociedade, que a inexistência deste controle por parte dos conselhos, iria gerar uma sobrecarga de trabalho para o governo, que certamente iria gerar um verdadeiro caos a sociedade, assim como aumentar enorme as despesas dos governos..
Hoje como é de conhecimento público, as maiorias das ações de proteção a sociedade está nas mãos dos conselhos de classes, criados e regulamentados por leis federal com estas atribuições previstas, lembrando que somos também auditados e controlados anualmente pelos órgãos de fiscalização e controle do governo federal, na qual temos que prestar contas de nossas receitas e despesas.  

Constantemente somos questionados por alguns deputados e senadores pelas multas emitidas, neste caso especifico, estamos falando daquelas emitidas pelos Conselhos Regionais de Farmácia em alguns estabelecimento publico ou privado, lamentavelmente os nobres deputados e senadores muitas vezes não nos dão o direito de reposta, desta forma não temos como explicar que estávamos simplesmente cumprindo e respeitado as leis brasileiras, que não fazer, poderia ser considerado prevaricação, conforme previsto em leis federal, desta forma reitero que estamos sempre abertos ao dialogo, que buscamos incansavelmente todos os dias encontrar um ponto de equilíbrio que permita uma evolução constante dos serviços prestados pelos colegas farmacêuticos,  pelas empresas e órgãos públicos, com o intuito de garantir sempre uma melhoria na gestão da qualidade dos serviços prestados a nossa população, independente da sua classe social.
Os números constantemente exibidos pelos CRFs, demostram estatisticamente que a penas um pequeno numero de estabelecimento são autuadas por não respeitar as leis brasileiras, correspondem apenas a 5% dos estabelecimentos vistoriados, alguns destes estabelecimentos deveriam sim, serem fechados, por representarem sérios riscos a saúde publica de nossa população,  lembrado que as empresas autuadas podem e devem recorrer ao próprio CRFs ou em caso de confirmado a  multa pela plenária dos CRFs, ainda existe a possibilidade de também CFF, atenção para não perderem os prazos previamente estabelecidos.
Enquanto tivermos forças, continuaremos a nossa luta para garantir o direito da sociedade de ter assistência farmacêutica integral, assim como, estaremos sempre acompanhando e exigido dos órgãos competentes uma formação profissional voltada cada vez mais para os cuidados farmacêutico da nossa população, somos hoje o profissional de saúde mais acessível a população em todo o território brasileiro.

Não somos contra a iniciativa particular, muito pelo contrario, porém devemos exigir que os estabelecimentos públicos e privados mantenham sempre a excelência, garantindo sempre um alto  padrão de qualidade dos serviços e produtos dispensados a população brasileira.

Prof. José Roberto Lannes Abib, acredita que ainda tem muito a ser construído e melhorado, porém não podemos retirar o poder de policia dos conselhos de classe, podemos e devemos sim, aperfeiçoar! determinando aos órgãos públicos um prazo razoável, para comprovar e tomar as medidas cabíveis em leis contra os péssimos gestores, sejam públicos ou privados, que insistem em afrontar as leis do nosso Brasil, deixando a população, principalmente às mais pobres a mercê da sorte.

30 de out. de 2019

CFF defende junto à Câmara dos Deputados a ampliação dos farmacêuticos na vacinação

Nesta quarta-feira, dia 23 de outubro, o Conselho Federal de Farmácia (CFF) entregou oficialmente à Câmara dos Deputados, um documento com as suas contribuições ao relatório que será produzido por aquela casa com soluções e alternativas para sanar os problemas enfrentados pelo país garantir a cobertura vacinal da população. A entrega coube aos membros da Comissão Parlamentar do CFF e à assessora da Presidência do conselho, Josélia Frade, em atendimento ao compromisso assumido pelo conselho no dia 10 de outubro, por ocasião da audiência pública sobre esse tema, realizada na Comissão de Seguridade Social e Família.

O deputado Pedro Mabarra Westphalen (PP/RS), coordenador do Grupo de Trabalho sobre Imunização - Aquisição e Abastecimento de Vacinas instituído pela comissão, foi quem recebeu o documento. No texto, o CFF traça o novo perfil do farmacêutico na imunização e descreve como ele pode contribuir de forma mais efetiva no enfrentamento dos desafios impostos ao Programa Nacional de Imunização, como desabastecimento, movimento anti-vacinas e recrudescimento de doenças imunopreveníveis. O texto demonstra ainda que o farmacêutico tem o respaldo legal e a competência técnica para atuar na aplicação de vacinas dentro das farmácias, hoje reclassificadas como estabelecimentos de saúde, de acordo com a Lei nº 13.021/2014.
“As farmácias precisam ser vistas pelo governo como aliadas do Sistema Único de Saúde (SUS) na imunização da população”, observa Josélia Frade. Como fatores que possibilitam a esses estabelecimentos a oferta de serviços de vacinação com excelência ela cita: horário de funcionamento (horários estendidos em dias de semana ou finais de semana), facilidade de acesso (proximidade geográfica), não necessidade de agendamento prévio, curto tempo de espera, local adequado para atendimento, por cumprir normas sanitárias, e presença de profissional da saúde de nível superior habilitado. Segundo Josélia Frade, em outros países, a inserção do farmacêutico na imunização da população desencadeou um aumento da cobertura vacinal, além de auxiliar no cumprimento das metas de imunização.
Responsável pela elaboração do documento, Josélia Frade inseriu, no texto, os dados de um levantamento realizado a partir da promulgação da Lei nº 13.021/14, que relata a existência de 12 clínicas de vacinação de propriedade de farmacêuticos e a implantação do serviço em 90 farmácias. De acordo com esse levantamento, no primeiro trimestre de 2019, somente as farmácias de redes associadas à Abrafarma administraram 18.218 doses (200 doses/dia). As principais vacinas administradas por esses farmacêuticos foram a Influenza (57.75%) e a Meningocócica B (24.04%). Isso, a um custo mais barato. “A vacinação em farmácias reduziu os custos ao consumidor”, observou.
Os registros sobre a imunização em farmácias privadas, feitos por meio da ferramenta “Clinicar”, ainda apontam que os farmacêuticos não vacinaram 290 pessoas, porque identificaram, durante a anamnese, que eles apresentavam alguma contraindicação. “Desde 1973 os farmacêuticos estão autorizados a aplicar diversos medicamentos injetáveis, muitos dos quais com perfil de reação adversa mais preocupante do que as próprias vacinas. Esse conhecimento prévio serve de base para que o farmacêutico adquira novas competências para praticar a imunização no país, seja no setor público ou privado”, comenta Josélia Frade.
Em relação aos efeitos adversos graves pós-vacinação, como anafilaxia, foi salientada a importância de o Ministério da Saúde ministrar cursos para capacitar os diferentes profissionais da saúde que atuam nos serviços de vacinação para a realização desses atendimentos. Foi apontada ainda a necessidade de se estabelecer um protocolo simples, que seja entendido por todos os agentes, que permita a utilização da adrenalina em caso de emergência.
Foi destacada a importância do apoio governamental no desenvolvimento de novas tecnologias que permitam a integração dos dados gerados nas farmácias, que hoje estão subutilizados pelos sistemas de saúde. “Os serviços prestados pelo farmacêutico ainda não estão sendo enxergados pelo sistema de saúde. Poderíamos estar contribuindo muito com o planejamento das ações em saúde no país”, alertou.
Ainda foram abordadas, no documento, questões como a importância de o Vigimed passar a ser utilizado como um sistema de farmacovigilância robusto no país. O sistema é disponibilizado pela Anvisa para cidadãos e profissionais de saúde relatarem eventos adversos a medicamentos e vacinas. Hoje, os profissionais da saúde precisam fazer os registros em dois sistemas, o Vigimed e no Sistema Nacional de Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacinação, do Programa Nacional de Imunização.
A necessidade de reorganização e unificação do ciclo logístico de aquisição e distribuição de produtos para a saúde que demandam condições especiais e armazenamento (vacinas, medicamentos biológicos e a própria insulina) foi outro ponto destacado. “Deixamos claro que o farmacêutico pode ser um grande parceiro nessa missão”, comentou. Um último alerta feito pelo CFF foi o de que, no documento com as regras para funcionamento dos serviços de vacinação colocado em consulta pública pela Anvisa, a agência estabelece 9 metros quadrados como metragem mínima para as salas de vacinação. Em alguns países são apenas 4 metros quadrados.
Em relação ao movimento anti-vacinas, o conselho se colocou como um potencial parceiro do governo no sentido de divulgar informações sobre a importância das vacinas na prevenção de doenças imunopreveníveis. “A par de todas as questões pontuadas, a grande mensagem que quisemos deixar à Comissão de Seguridade Social e Família é de que as farmácias brasileiras podem ser parte da solução para garantir a cobertura vacinal no país, contribuir para a manutenção da qualidade exemplar do nosso Programa Nacional de Imunização (PNI), na promoção da saúde e da prevenção das doenças”, disse Josélia Frade.
fonte: http://www.cff.org.br/noticia.php?id=5517&titulo=CFF+defende+junto+%C3%A0+C%C3%A2mara+dos+Deputados+a+amplia%C3%A7%C3%A3o+dos+farmac%C3%AAuticos+na+vacina%C3%A7%C3%A3o

19 de fev. de 2019

Farmácia foi a 3ª carreira que mais contratou em 2018

A profissão de farmacêutico ocupou a terceira posição no ranking das áreas que mais contrataram com carteira assinada em 2018, entre as carreiras de nível superior. O levantamento foi realizado pelo site Quero Bolsa, a pedido da revista Veja. Com 38.607 novas admissões formais, a Farmácia superou as carreiras de médico clínico (11.884), nutricionista (10.312) e fisioterapeuta (10.040).

A carreira com mais contratações foi a de analista de sistemas, com 47.692 vagas. Em segundo lugar, ficou a enfermagem, com 46.991. Atualmente, a área da Farmácia possui 135 especializações regulamentadas, ancoradas em 10 linhas de atuação, que englobam produção industrial e análise de alimentos, análises clínico-laboratoriais, educação, farmácia, farmácia hospitalar e clínica, indústria de medicamentos, gestão, práticas integrativas e complementares, saúde pública e toxicologia.

De acordo com o presidente do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Walter Jorge João, o dado é um reflexo do intenso movimento clínico, liderado pelo CFF, que segue em franca expansão no Brasil. “Desde 2012, o CFF vem investindo em iniciativas que resgatam o farmacêutico como protagonista do cuidado à saúde dentro da farmácia comunitária, o segmento que mais emprega farmacêuticos no Brasil. E, na medida em que assume a sua autoridade técnica dentro da farmácia, o farmacêutico se torna mais valorizado e respeitado e, consequentemente, mais necessário. Claro que isso se reverte em empregabilidade”, comentou.

O farmacêutico é o profissional tecnicamente capacitado para atuar de uma ponta a outra da grande cadeia relacionada ao cuidado em saúde, seja do ponto de vista tecnológico, com a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de novos fármacos e metodologias para diagnóstico laboratorial, seja do ponto de vista humanístico com a oferta do cuidado e dos serviços farmacêuticos ao paciente.

Confira a íntegra da reportagem da Veja – https://abr.ai/2UVpj7k



Fonte: CFF 
Autor: Comunicação

fonte: http://www.cff.org.br/noticia.php?id=5184&titulo=Farm%C3%A1cia+foi+a+3%C2%AA+carreira+que+mais+contratou+em+2018

Lotes de frango são recolhidos por risco de presença de Salmonella

A Anvisa publicou, nesta quinta-feira (14/2), aResolução 389/2019, que determina o recolhimento de diversos lotes de cinco cortes de frango da marca Perdigão.




A ação foi motivada pela suspeita de contaminação por Salmonella nos cortes de frango. O recolhimento abrange 23 lotes de cinco diferentes produtos.

A empresa BRF, dona da marca Perdigão, comunicou o recolhimento voluntário de coxas e sobrecoxas sem osso, meio peito sem osso e sem pele, filezinhos de frango, filé de peito e coração.

O problema foi identificado pelo controle de qualidade da própria empresa, que o comunicou à Anvisa e ao Ministério da Agricultura.
Qual o risco?

A bactéria identificada foi a Salmonella enteritidis. Este tipo de bactéria é eliminado quando o alimento é cozido, frito ou assado corretamente. Por isso, é importante o cuidado com o cozimento correto da carne de frango de forma geral.

Conheça nossa orientações para preparo de alimentos.

Confira os produtos e lotes afetados:

Produto

Lotes recolhidos

=> Cortes Congelados de Frango – Filé de Peito – Embalagem Plástica – 2 kg
Lotes recolhidos: 30/10/18 e 09/11/18

=> Miúdos Congelados de Frango – Coração – Embalagem Plástica – 1 kg
Lotes recolhidos:30/10/18; 05/11/18; 06/11/18; 07/11/18; 09/11/18; 10/11/18 e 12/11/18

=> Cortes Congelados de Frango – Filezinho (Sassami) – Embalagem Plástica – 1 kg
Lotes recolhidos:30/10/18; 05/11/18; 06/11/18; 07/11/18; 09/11/18; 10/11/18 e 12/11/18

=> Cortes Congelados de Frango – Meio Peito sem Osso e sem Pele – Caixa de Papelão (interfoliado) 15 kg Lotes recolhidos: 30/11/18; 07/11/18; 09/11/18 e 10/11/18

=> Cortes Congelados de Frango  Lotes recolhidos: 06/11/18; 09/11/18 e 10/11/18

Quer saber as notícias da Anvisa em primeira mão? Siga-nos no Twitter @anvisa_oficial e Facebook @AnvisaOficial

fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/lotes-de-frango-sao-recolhidos-de-forma-preventiva/219201?p_p_auth=lLYmsCXv&inheritRedirect=false&redirect=http%3A%2F%2Fportal.anvisa.gov.br%2Fnoticias%3Fp_p_auth%3DlLYmsCXv%26p_p_id%3D101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3D_118_INSTANCE_veHKmkDUo2dN__column-2%26p_p_col_count%3D2

18 de fev. de 2019

Como se prevenir de doenças transmitidas por alimentos contaminados

Medidas simples podem ser tomadas no dia-a-dia para evitar este transtorno.
Quem nunca comeu uma comida e sentiu que ela não caiu bem? Mais comuns do que imaginamos, as doenças transmitidas por alimentos ou água contaminados são síndromes que trazem sintomas geralmente gástricos, como náuseas, vômitos, diarreia e dor abdominal. Em casos mais graves, os sintomas vão além, atingem o sistema neurológico e o fígado, por exemplo. A boa notícia é que estas doenças são facilmente preveníveis. Medidas simples podem ser tomadas no dia-a-dia para evitar este transtorno.

Juliene Borges, analista técnica de políticas sociais do Ministério da Saúde, explica que na maioria das vezes os alimentos e a água contaminados se autodenunciam com odor, gosto ou até a aparência, com a cor alterada. No entanto, os grandes vilões são aqueles que não aparentam estar estragados. “Geralmente eles podem ser industrializados, como conservas e embutidos. Nem sempre eles apresentam características de que estão contaminados”, alerta.

Para evitar a contaminação, Juliene Borges dá algumas dicas de prevenção:

• Só beba água potável;
• Cuide da higiene pessoal, lavando bem as mãos antes de manipular e consumir alimentos;
• Cheque a temperatura em que os alimentos estão sendo conservados, especialmente as carnes e os produtos lácteos;
• Siga as orientações de embalagens sobre a validade, o armazenamento e o consumo de alimentos industrializados;
• Cozinhe bem carnes, para não as consumir com aspecto cru;
• Consuma apenas leite e derivados pasteurizados ou fervidos;
• Evite comer frutos do mar crus;
• Proteja os alimentos do contato com insetos e outros animais, especialmente roedores;
• Ao se alimentar fora de casa, observe a conservação dos alimentos (refrigerados ou aquecidos) e a higiene do local e de quem está preparando e/ou servindo.

Água limpa
Outras valiosas dicas são para evitar o consumo de água contaminada. “A orientação principal é para pessoas que não têm acesso a água potável para consumo. Ou seja, se elas não tiverem uma fonte que seja reconhecidamente de água potável, de uma rede de abastecimento público, ou água mineral de boa procedência, a gente recomenda que ela filtre a água ou ferva antes de consumir”, orienta a analista técnica.

Segundo Juliene, a fervura da água tem que ser por 15 minutos. Para filtragem, deve-se usar uma solução de hipoclorito de sódio, que é distribuída gratuitamente no serviço público de saúde. Só após a desinfecção, a água está própria para o consumo e para ser utilizada na preparação de alimentos.

Tratamento
Os sintomas de doenças transmitidas por alimentos costumam durar aproximadamente três dias. Depois disso, é indispensável que a pessoa contaminada procure o atendimento médico. Pessoas que apresentam além dos sintomas gástricos, como tontura, sangue nas fezes e urina com coloração diferente do habitual, devem ir aos serviços de saúde imediatamente, pois, é necessário suporte especializado ao paciente.

O tratamento é baseado na hidratação correta para a reposição dos minerais perdidos, além da alimentação saudável. “Crianças, idosos e pessoas com baixa imunidade devem ter uma atenção especial, assim que os sintomas iniciarem”, ilustra Juliene.

Para saber mais sobre estas doenças, acesse o site do Ministério da Saúde (www.saudegov.br), no menu Saúde de A a Z. As informações são valiosas para os profissionais de saúde e também para o cidadão comum entender mais sobre a prevenção dessas doenças.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) atua com ações e orientações mais específicas com a legislação que rege a conservação adequada de alimentos. Acesse aqui o site da Anvisa.

Erika Braz, para o Blog da Saúde

fonte: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53759-como-se-prevenir-de-doencas-transmitidas-por-alimentos-contaminados

MedSUS: O Aplicativo Dos Remédios

A lista de medicamentos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a Relação Nacional de Medicamentos Essências (Rename), está acessível agora pelo aplicativo MedSUS, desenvolvido pelo Ministério da Saúde para celulares smarthphones e tablets com sistema Android. Em breve também estará nos aparelhos com sistema IOS. 

O aplicativo disponibiliza ainda o Formulário Terapêutico Nacional, publicação com informações científicas sobre os fármacos da Rename, além das diretrizes terapêuticas e protocolos clínicos preconizados pelo Ministério da Saúde e usados pelos profissionais do SUS. O banco de dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de empresas e medicamentos autorizados a serem comercializados no Brasil também está acessível na ferramenta.

Para o Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, o MedSUS é uma ferramenta que vai auxiliar os profissionais de saúde nas orientações necessárias no momento da prescrição e dispensação de medicamentos. “Nós desenvolvemos o aplicativo para consolidar em uma única ferramenta todo o material técnico que o Ministério da Saúde disponibiliza sobre os medicamentos indicados pelo SUS”, explica o secretário.

O aplicativo proporciona acesso facilitado a essas informações para médicos e demais profissionais de saúde, gestores e usuários do SUS. “Nos próximos ciclos de capacitação do Programa Mais Médicos, o aplicativo será apresentado para que todos possam acessar as informações e indicar os medicamentos que o SUS disponibiliza. Esta iniciativa certamente contribuirá muito para o uso correto dos medicamentos pela população mais necessitada do País, agindo de modo integrado para o sucesso do Mais Médicos”, ressalta Carlos Gadelha.

Usuários também poderão ter acesso mais fácil às informações sobre os remédios que precisem. “Tem uma área do aplicativo chamada de ‘informações ao paciente’ com as orientações necessárias. Se deve tomar em jejum, com água ou sucos e os cuidados com o armazenamento do medicamento”, informa a farmacêutica e técnica do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAF) do Ministério da Saúde, Marcela Amaral, responsável pelo desenvolvimento do aplicativo. 

O MedSUS permite realizar a pesquisa do medicamento pelo princípio ativo, nome genérico ou nome comercial; auxilia no cálculo de doses de medicamentos; tem informações sobre os efeitos adversos do remédio, aspectos farmacêuticos, entre outras orientações. Outra funcionalidade do aplicativo é que permite ao médico compartilhar as informações com o paciente por e-mail. 

“Ele é todo baseado no formulário terapêutico, outras guias e protocolos que já estão disponíveis na internet. O aplicativo vem para consolidar esse material e possibilitar pesquisas mais rápidas”, afirma a técnica do DAF, Marcela Amaral.

Lucas Pordeus Leon / Blog da Saúde

Fonte: http://www.blog.saude.gov.br/servicos/33612-medsus-o-aplicativo-dos-remedios

I Congresso de Ciências Farmacêuticas do Centro-Oeste, 25 a 27 de abril de 2019


Sobre o Congresso

No exercício de 2019 o CRF/DF comemorará 50 anos de existência e, para que possamos celebrar essa data em grande estilo, nos dias 25 a 27 de abril de 2019 estaremos realizando o I Congresso de Ciências Farmacêuticas do Centro-Oeste, com o tema: “A Integralidade do Cuidado Farmacêutico", juntamente com os Conselhos dos Estados do Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, em um dos locais mais nobres e confortáveis de Brasília, no hotel Royal Tulip Brasília Alvorada, Setor de Clubes Norte.


O referido Congresso contará com uma programação rica em conteúdo das mais diversas áreas de atuação da profissão farmacêutica, englobando outros 06 (seis) eventos nos segmentos: Farmácia Clínica, Hospitalar, Análises Clínicas, Magistral, Farmácia Estética e Cosmética, Nutracêuticos, dentre outros. Para isso, estarão presentes renomados conferencistas do âmbito nacional, que juntos irão debater esses e demais temas e definições de grande relevância e abrangência para a área farmacêutica, em um momento de plena ascensão e expansão da profissão, em que as práticas clínicas se consolidam, criando um novo papel para o farmacêutico perante a saúde pública e a sociedade.

PALAVRA DA PRESIDENTE

Brasília estava merecendo um grande evento científico para congregar os farmacêuticos e demais profissionais de saúde em um momento de aprendizado e confraternização. O ano de 2019 foi escolhido porque o CRF/DF comemora seus 50 anos de existência e conquistas. Atualmente, são mais de 8.000 profissionais inscritos na autarquia, e a população do DF reconhece a importância desse profissional como um dos principais agentes de saúde no cuidado à saúde. Nesse sentido, é com uma enorme alegria que recebemos os colegas farmacêuticos, estudantes e demais profissionais da saúde para o I Congresso de Ciências Farmacêuticas do Centro-Oeste, cujo tema central é: “A Integralidade do Cuidado Farmacêutico”. Este evento, permitirá a participação de 1.200 farmacêuticos, estudantes de Farmácia e demais profissionais de saúde do centro-oeste e de outros estados. Serão oferecidas diversas atividades técnico-científicas, entre palestras, mesas redondas e mini-cursos.

O evento foi pensado e organizado para oferecer capacitação em áreas vitais para a profissão farmacêutica, incluindo os analistas clínicos. Por isso, o Congresso reúne: I CONGRESSO DE ANÁLISES CLÍNICAS E CITOLOGIA CLÍNICA DO PLANALTO CENTRAL; I SIMPÓSIO DE FARMACÊUTICOS ESTETAS DO CENTRO-OESTE; II ENCONTRO DISTRITAL DE PROFESSORES E PROFISSIONAIS DE FARMÁCIA CLÍNICA; I JORNADA DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES DO CENTRO-OESTE; I ENCONTRO DISTRITAL DE RESIDENTES EM FARMÁCIA; II JORNADA FARMACÊUTICA DE CUIDADO AO IDOSO.

Aguardamos, ansiosamente, os profissionais para juntos avançarmos em temas de grande relevância para a saúde da nossa população.


Dra Gilcilene Chaer
Presidente do Congresso

Maiores informações: http://congresso.crfdf.org.br/

fonte: http://www.crfdf.org.br/site/index.php