29 de mar de 2017

O Presidente do CRF-RJ e o Diretor Secretario geral do CRF-RJ Prof. José Roberto Lannes Abib estiveram ontem dia 28 de março participando de palestra sobre prescrição farmacêutica na Universidade Castelo Branco, a convite da coordenadora Luciane Barreiro Lopez Vasquesaos alunos do curso de farmácia da UCB na unidade centro.

A imagem pode conter: 23 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sentadas e área interna
A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas e área interna

Vereador Bruno Lessa, declara seu voto favorável ao Prof. José Roberto Lannes Abib

Comissão Parlamentar do Conselho de Farmácia no momento representado pelo Prof Jose Roberto Lannes Abib, pela Coordenadora da Seccional de Niterói Dra Raquel e o incansável Dr Fábio Arcenio Neto representando o SINFAERJ.
Conseguimos o primeiro apoio declarado do vereador Bruno Lessa, que inclusive disponibilizou o seu gabinete para que possamos concentrar as nossas ações,
a favor de derrubar o veto do Prefeito Rodrigo Neves contra o direito do cidadão de ter garantido a sua privacidade na hora de comprar e receber as devidas orientações do uso correto do medicamento pelo farmacêutico.
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas em pé e área interna
Diretor do CRF-RJ Prof José Roberto lannes Abib, Vereador  Bruno Lessa e o Dr Fábio Arcenio Neto representando o SINFAERJ

Líder do Governo na Câmara Vereador Milton Carlos Lopes recebe o Prof José Roberto Lannes Abib

O Líder do Governo na Câmara Vereador Milton Carlos Lopes, deixou o plenário para conversar com o Prof Jose Roberto Lannes Abib presidente da Comissão Parlamentar do CRF-RJ e com o colega farmacêutico que estava representando o SINFAERJ Dr Fabio Arcenio Neto, conseguimos agendar uma reunião amanhã para discutir este e outros projetos de interesse de saúde pública e do farmacêutico

A imagem pode conter: 3 pessoas, barba
Diretor do CRF-RJ Dr. José Roberto Lannes Abib, o líder do Governo na Câmara Vereador Milton Carlos Lopese e o Dr Fabio Arcenio Neto representante do SINFAERJ

Prof José Roberto lannes abib e recebido pela vereadora Talíria Petrone

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, barba, close-up e área interna
Diretor do CF-RJ José Roberto Lannes Abib, Vereadora Talíria Petrone e Dr Fabio Arcenio Neto representando o SINFAERJ
Agradecemos o carinho e a simpatia da vereadora Talíria Petrone, que estava participando de um evento na Câmara de Niterói, mas de forma carinhosa deixou o evento para poder falar com os representantes da classe farmacêutica.

27 de mar de 2017

CRF-RJ decide tomar todas as medidas cabíveis para garantir as atribuições do farmacêutico


O Presidente do CRF-RJ Dr Marcus Athila e o Diretor Secretario Geral Prof Jose Roberto Lannes Abib, assim como os demais diretores, estão avaliando como enfrentar as resistências de algumas VISAS em relação ao consultório Farmacêutico, desconsiderando a atribuição legal do Conselho Federal de Farmácia (CFF), conforme as suas atribuições previstas na Lei Federal nº 3.820/60.





Estaremos tomando todas as medidas cabíveis que antecedem a última instancia que e entrar com processo na justiça, para que possamos garantir o pleno direito do profissional farmacêutico.
Já encaminhamos um ofício ao Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro Marcelo Crivella, solicitando que sejam tomadas as medidas administrativas cabíveis junto a Vigilância Sanitária Municipal para que a mesma respeite as atribuições do CFF e conceda o registro do consultório Farmacêutico.

16 de mar de 2017

Comissão Parlamentar e Câmara Técnica de Empreendedorismo debate o âmbito Profissional Farmacêutico.



A comissão parlamentar e a câmara técnica de empreendedorismo do Conselho Regional de Farmácia do Rio de Janeiro, realizaram ontem dia 14 de março, reunião conjunta na sede do CRF-RJ, com o intuito de discutir propostas que venham garantir que as prerrogativas farmacêuticas sejam respeitadas plenamente em nosso estado, vários pontos foram abordados, e intensamente debatidos pelos colegas, o professor Liporage  por varias vezes fez relatos verídicos de momentos onde haveria a necessidade de uma ação mais incisiva do conselho, na qual todos os demais membros concordaram, a Dra. Antonia Pinheiro com toda a sua experiência e expertise profissional como farmacêutica proprietária e como farmacêutica hospitalar do Hospital Universitário Antônio Pedro de Niterói, contribui-o muito pois fez relatos importantes, demostrando a todos nos que teríamos que cuidar da profissão como um todo, não separando quem era empresário ou funcionário, pois varias vezes, havia sentido na pele a necessidade de ver o CRF apoiando a profissão,  respaldando e  lutando para garantir um exercício profissional pleno  aos colegas farmacêuticos, Dra. Talita também questionou que vem recebendo via WhatsApp, vários outros questionamentos, e que tinha a sensação que as propostas apresentadas atenderiam a quase que a totalidade dos casos.
Após o fechamento das propostas, ficou acordado que as propostas serão encaminhadas aos diretores do CRF-RJ, para análise e considerações.

Estiveram presentes Dra. Aline Coppola Napp, Dr. José Roberto Lannes Abib, Dra Angélica Pinto, Dr. José Liporage, Dra. Antonia Pinheiro  e  Dra. Talita Barbos

14 de mar de 2017

Diretores do CRF-RJ Dra. Talita Barbosa e Dr. José Roberto Lannes Abib, compareceram no evento "Diretoria em Ação"

Dia 13 de março estivemos na reunião denominada "Diretoria em Ação" na Associação Brasileira de Farmacêuticos - ABF,  juntamente com o superintendente do CRF-RJ, com o intuito de tirar duvidas dos colegas relacionados a fiscalização e aos processos fiscais e éticos.


A Diretora Talita Barbosa iniciou agradecendo a presença de todos os colegas, principalmente por ser uma segunda-feira a noite e com chuva, e afirmou que esta diretoria tinha de fato um compromisso com a profissão, que estávamos abertos a todas as propostas a favor da classe, porem lembrando que tínhamos que cumprir fielmente às leis e resoluções do CFF.  
Durante o evento a palavra esteve sempre livre a todos os colegas para realizarem perguntas, permitindo assim que todos os colegas presentes pudesse participar ativamente da reunião.
Professor Jose Roberto Lannes Abib, alegou que legalmente o conselho de farmácia não pode defender o farmacêutico na área trabalhista, que porém como farmacêutico, estarei sim, sempre apoiando o sindicato na luta por melhorias salarias e vantagens agregadas a classe, que somente com respeito a categoria e aos colegas poderemos avançar e conquistar avanços reais.
Professor Liporage, lembrou a importância do conhecimento do código de ética para a profissão.  
    

Prof. José Roberto Lannes Abib promove reunião com os farmacêuticos da Unigranrio com o Vereador Wendell Oliveira do Nascimento

Farmacêuticos da Unigranrio tem reunião com o Vereador Wendell Oliveira do Nascimento
Na última segunda-feira dia 13 de março, recebemos no Laborafe a visita do ilustre vereador Wendell Oliveira do Nascimento, que foi recepcionado pelo Diretor do Laborafe e do CRF-RJ Professor José Roberto Lannes Abib e pelas Farmacêuticas Dra. Rosangela Oliveira Damasceno e Dra. Jussara Braz de Oliveira.
Da Esquerda para a Direita: Tec. de Laboratorio Alessandra Oliveira Batista, Dra. Rosangela Oliveira Damasceno, Dra. Jussara Braz de Oliveira, Vereador Wendeell Oliveira do Nascimento, Dr. Jose Roberto Lannes Abib, Dra. Amanda de Melo Souza, Dra. Alessandra Nascimento da Silva e a  Tec. de Laboratorio Gabriela de Oliveira Evaristo

Durante o encontro foi feito uma exposição técnica da importância do profissional farmacêutico junto aos demais profissionais de saúde nos cuidados do paciente, e que às atribuições estavam devidamente regulamentadas através da RESOLUÇÃO Nº 585 DE 29 DE AGOSTO DE 2013 que regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e da RESOLUÇÃO Nº 586 DE 29 DE AGOSTO DE 2013 que regula a prescrição farmacêutica.
Logo após a apresentação a equipe de farmacêuticos da Unigranrio, respondeu todas as dúvidas do Vereados Wendell, e foi entregue pelo prof. José Roberto Lannes Abib uma proposta de projeto lei, que faculta a prescrição farmacêutica nas unidades de saúde do município, através de protocolos a serem aprovados pelos chefes de equipes de cada programa, com o acompanhamento do Conselho Regional de Farmácia.  

Estaremos acompanhando e divulgando a decisão a ser tomadas pelo ilustre vereador. 

11 de mar de 2017

Professor José Roberto Lannes Abib comunica que o Conselho de Farmácia do Rio de Janeiro e toda a sua diretoria, vem trabalhando intensamente para trazer benefícios reais aos colegas, o PAF proporciona ganhos reais aos colegas.

Farmacêuticos possuem descontos exclusivos em seguros

Professor José Roberto Lannes Abib comunica que o Conselho de Farmácia do Rio de Janeiro e toda a sua diretoria, vem trabalhando intensamente para trazer benefícios reais aos colegas, o PAF proporciona ganhos reais aos colegas.
Mais uma empresa aderiu ao PAF-RJ e passa a oferecer descontos exclusivos em seguros para os profissionais inscritos no CRF-RJ

conquiste

1) Seguros de automóvel – os descontos serão de 5% a 10% (cinco a dez por cento)
     Os descontos serão de 10% a 30% (dez a trinta por cento) dependendo da avaliação do risco, caso a caso:
2) Seguros Multirrisco (Empresariais, Condomínio e Residenciais, onde a cobertura básica é a de incêndio);
3) Seguros de Equipamentos (Eletrônicos, Equipamentos de Medição, Equipamentos Industriais, Médico-Odontológicos e outros segmentos)
4) Seguros de Vida (Individual e Coletivo)
5) Seguros Viagem (Nacional e Internacional)

Dentre os produtos oferecidos pela Conquiste está o exclusivo Seguro de Responsabilidade Civíl para farmacêuticos.
A Conquiste Assessoria e Corretagem de Seguros Ltda. foi fundada em 1994, atuando em todos os ramos de seguros. Nos últimos anos tem se especializado em seguros específicos para farmácias e farmacêuticos, através de sua parceria com a ASCOFERJ, e participações em eventos do segmento, tais como a ExpoPharma.
Os descontos serão considerados sobre o prêmio líquido, e sua comprovação será mediante a apresentação de dois cálculos: um sem o desconto, e outro com o desconto.

Entre em contato com a CONQUISTE
Conquiste Assessoria e Corretagem de Seguros Ltda. ME Rua da Alfândega, 80 cob.
Rio de Janeiro | RJ
20070-004 (21) 3221-5608 | (21) 2238-1201
(21) 98758-4258 | (21) 99226-8888contato@conquisteseguros.com.br

10 de mar de 2017

9º Congresso Riopharma que acontecera na Unigranrio continua avançando.

Às Comissões de Ensino e de assuntos Estratégicos realizaram mais uma reunião na Unigranrio.


As comissões concluíram às propostas relacionadas ao Pré-Congresso.
Também foi avaliada propostas a serem encaminhadas ao Conselho Federal.
A surpresa foi a proposta que será encaminhado à Diretoria do CRF-RJ, propondo a criação de um evento cultural e esportivo anual envolvendo todas às Universidades do nosso Estado.


A próxima reunião após acordo entre os participantes acontecerá na Universo de Niterói.

Comissão Parlamentar do CRF-RJ discute projetos em benefício dos farmacêuticos

Na última segunda-feira, dia 06/03, a Comissão Parlamentar do CRF-RJ se reuniu para discutir estratégias que serão utilizadas nas reuniões que serão feitas junto aos parlamentares do Rio de Janeiro.
A comissão levará aos vereadores questões de muita importância para a valorização do profissional farmacêutico, especialmente no que diz respeito à regulamentação do consultório farmacêutico, a Lei do Dia da Orientação Farmacêutica, além de discutirem projetos pensados pelo CRF-RJ no sentido de melhorar as condições de trabalho e beneficiar os profissionais farmacêuticos.
A reunião foi composta pelos Doutores José Roberto, Talita Barbosa, Angélica Pinto, Juliana Camacho, Catarine Cavalcanti e Leonardo Légora.
 
reuniaocomissaoparlamentar
Da esquerda para a direita: Dr. José Roberto, Dra. Angélica Pinto, Dra. Juliana Camacho, Dra.Catarine Cavalcanti, Dr. Leonardo Légora e Dra. Talita Barbosa.

Vereador Cesar Maia agenda reunião com a Comissão Parlamentar do CRF-RJ



O CRF-RJ recebeu ontem, convite realizado pela acessória do vereador para uma reunião na próxima terça-feira dia 14  com a Comissão Parlamentar do CRF-RJ, o Professor e Presidente da Comissão José Roberto Lannes Abib, já comunicou aos demais colegas, e estamos prontos para demonstrar ao ilustre vereador a importância dos serviços farmacêuticos como profissional de saúde para a melhoria da qualidade de vida de nossa população, com redução de custo e aumento significativo da aderência ao medicamento.

6 de mar de 2017

9º Congresso Riopharma que será realizado na Unigranrio, terá os artigos publicados na revista da Associação Brasileira de Farmacêuticos.

O 9° Congresso Riopharma traz mais uma novidade! A Associação Brasileira de Farmacêuticos (ABF) participará como co-realizadora.


 Com isso, os artigos que forem aprovados para apresentação serão publicados na Revista Brasileira de Farmácia. Portanto, aqueles que desejarem apresentar seus trabalhos poderão também tê-los publicados num periódico científico que visa divulgar resultados de pesquisas relevantes na área de Farmácia e Bioquímica.
Em breve, serão divulgados os prazos de inscrição, regulamento da submissão de trabalhos científicos, cronogramas, além dos valores das premiações.

Diretoria em Ação dia 16/03 na Unigranrio, início às 18:30h

Atenção Farmacêuticos e Acadêmicos de Farmácia, venha participar da palestra da fiscalização do CRF-RJ e do programa Diretoria em Ação, com a presença de seus Diretores.
O evento será no dia 16/03 das 18:30 às 20:30. Shopping Unigranrio no cinema 2.
Será fornecido certificado de presença aos participantes do evento.
Agradecemos o apoio de sempre da Unigranrio na realização deste evento.
Evento: Gratuito 
Apoio: 

4 de mar de 2017

Professor José Roberto Lannes Abib, defende mudança na fiscalização por uma fiscalização mais justa e adequada ao momento atual.

Professor José Roberto Lannes Abib, defende mudança na fiscalização por uma fiscalização mais justa e adequada ao momento atual

Os serviços farmacêuticos vem se tornando uma realidade, e a presença do profissional farmacêutico em tempo integral nas farmácias vem aumentando de forma acentuada.


Por outro lado, nós profissionais farmacêuticos sentimos na pele a obrigatoriedade da presença constante no estabelecimento, não sendo possíveis e admissível eventuais ausências, estamos ciente das nossas responsabilidades e sendo assim gostaria de propor algo que não deixasse a população sem a assistência farmacêutica plena, porém que flexibilizasse a presença do farmacêutico em eventuais e necessárias ausências, sem que o estabelecimento seja autuado.

Hoje como todos vivenciamos as farmácias vedem muitos outros produtos que não e obrigatório a presença física do profissional farmacêutico, como exemplo podemos citar os correlatos entre outros, desta forma acredito que podemos evoluir sem prejudicar a assistência integral farmacêutica para um sistema muito parecido com o sistema adotado nos Estados Unidos, onde os medicamentos que necessitem de farmacêutico fiquem em área privativas e com a possibilidade de ser fechada na ausência do farmacêutico, permanecendo todo o estante do  estabelecimento aberto para venda e comercialização dos demais itens que não necessitem da atuação técnica de farmacêutico.
Acho que devemos discutir os pros e os contras deste meu posicionamento, e se aclasse entender que esta é uma solução viável e legal que deva ser testada, poderemos avançar para uma deliberação do CRF-RJ neste sentido no Rio de Janeiro.
A Diretoria do CRF-RJ esta aberta a participar de eventos com este foco ou de qualquer outro que venha a melhor a qualidade de vida do farmacêutico.
Não existe pacote fechado, temos que ter a coragem de botar ás cartas na mesa sem abrir mão da assistência farmacêutica integral.
Autor: Dr José Roberto Lannes Abib, Diretor Secretario Geral do CRF-RJ.

GOVERNO REFORÇA FISCALIZAÇÃO DO “AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR”

O Ministério da Saúde iniciou uma ação de fiscalização das drogarias credenciadas ao programa Aqui tem Farmácia Popular. A iniciativa começou por dez unidades do Distrito Federal, com a visita de auditores do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS). A experiência no DF será a base para montar um calendário de monitoramento permanente das 20 mil drogarias em todo o país, que terá início em dezembro.
A estratégia tem como objetivo fortalecer o programa, garantindo maior controle e transparência, além de aperfeiçoar o acesso a medicamentos gratuitos para diabetes e hipertensão – do programa Saúde não Tem Preço – ou 90% de desconto para outros 20 medicamentos. Desde 2008, o Denasus realizou 497 auditorias, 1.308 unidades foram desconectadas para ajustes e outras 289, descredenciadas do programa, além de 318 multas terem sido aplicadas.
Iniciada em Brasília, a ação segue nos próximos dias sob a coordenação do DENASUS. A ideia é desenhar, na capital federal, a estratégia de fiscalização que será aplicada nas demais drogarias do país. “O programa tem um significado muito importante para o Ministério da Saúde, pois atende a milhões de pessoas”, afirma Adalberto Fulgêncio, diretor do departamento. “Estamos comprometidos com o combate ao desperdício dos recursos da Saúde e ao mesmo tempo atentos para ampliar e melhorar o acesso da população aos medicamentos”, enfatiza Fulgêncio.
De acordo com o diretor, os auditores irão analisar se as farmácias estão de acordo com o que determinam as normas e critérios definidos pelo Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAF). Entre os aspectos que estão sendo avaliados, estão, por exemplo, a análise do cupom vinculado, uma espécie de nota fiscal eletrônica. Ela funciona como um mecanismo de segurança e deve conter o valor total da venda, a quantidade autorizada, a prescrição diária, a data da próxima compra, detalhes da descrição de cada medicamento, identificação do atendente e o telefone 136, da Ouvidoria do Ministério da Saúde, para consultas ou denúncias.
Caso sejam encontradas desconformidades com as regras do programa, o Ministério da Saúde poderá determinar a suspensão imediata da farmácia, que é intimada a prestar esclarecimentos. Se constatada alguma irregularidade, o estabelecimento é descredenciado e pode ser aplicada multa de até 10% sobre o montante das vendas referentes ao último trimestre, a partir da data da notificação para a apresentação da defesa.
SAÚDE NÃO TEM PREÇO
A partir de fevereiro deste ano, com o lançamento do programa Saúde Não Tem Preço, medicamentos indicados para diabetes e hipertensão passaram a ser distribuídos gratuitamente pelas farmácias credenciadas ao Aqui Tem Farmácia Popular – são cinco medicamentos para diabetes e seis para hipertensão, totalizando 18 apresentações.
A iniciativa do Ministério da Saúde ampliou em 239% o acesso ao tratamento dessas doenças nas mais de 20 mil drogarias credenciadas ao programa. O número de pacientes atendidos pulou de 853 mil, em janeiro, para 2.888.956, em setembro. Foram realizados 306.826 atendimentos de pessoas diabéticas, em janeiro, chegando a 892.820 em setembro, o que representou um crescimento de 191%. Já o número de hipertensos beneficiados foi ampliado em 271%, passando de 658.648 para 2.443.044, no mesmo período.
                                      
O “Saúde Não Tem Preço” tem estimulado o crescimento geral do “Aqui Tem Farmácia Popular”, cujo número de beneficiados teve aumento 183% de janeiro a setembro – passou
 de 1,2 milhões para 3,5 milhões. Além dos medicamentos gratuitos para hipertensão e diabetes, o programa oferece com desconto medicamentos que tratam asma, rinite, osteoporose, colesterol, doença de Parkinson e glaucoma. Também são disponibilizados anticoncepcionais e fraldas geriátricas – essas indicadas para pessoas com mais 60 anos.
Para retirar o medicamento, o usuário precisa apresentar apenas CPF, documento com foto e receita médica válida. O programa permitiu ao Ministério da Saúde expandir os pontos de retirada de determinados medicamentos para além dos postos de saúde e dos hospitais credenciados, aumentando o acesso da população à assistência farmacêutica.

Fonte: Agência Saúde / Ministério da Saúde
Fonte:http://febrafar.com.br/governo-reforca-fiscalizacao-do-aqui-tem-farmacia-popular/

Profissões da saúde se reúnem para definir estratégias em relação ao EAD na graduação

Em um cenário em que a qualidade do ensino presencial na graduação em saúde já é uma grande preocupação, o ensino a distância nesta etapa da formação dos profissionais da área está sendo debatido em Brasília. E o debate ocorre em um auditório lotado por cerca de 180 pessoas, apesar de esta ser uma sexta-feira de carnaval, durante encontro promovido pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), em parceria com o Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde (FCFAS). O debate se estenderá durante todo o dia.
Estão presentes representantes de conselhos profissionais de todas 14 áreas da saúde, que debaterão estratégias pela preservação da qualidade da formação diante da franca expansão dessa modalidade de ensino na graduação, amplamente estimulada pelo Ministério da Educação (MEC). De acordo com o Sistema e-MEC de Instituições e Cursos de Educação Superior, já estão autorizadas 274,1 mil vagas de ensino a distância em 11 das 14 profissões da saúde. Somente não foram ainda autorizadas vagas para Medicina, Psicologia e Odontologia.
O curso campeão em EAD é o de Serviço Social, com mais de 80 mil vagas. Logo atrás, vêm a Educação Física, com mais de 68 mil vagas, e a Enfermagem, com 59 mil vagas. No caso da Farmácia, que coordena o encontro, 6 instituições de São Paulo, Bahia, Santa Catarina, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Paraná, oferecem 9.320 vagas. “É preciso deixar claro que as profissões da saúde não são contra a incorporação das novas tecnologias pela graduação, mas a favor da qualidade do ensino que deve ser uma prioridade para os profissionais, para a sociedade e sobretudo para o MEC. Os cursos dessa área têm peculiaridade e possuem competências que exigem a formação presencial, sob pena de prejuízos à saúde da população”, disse o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João.
Para seu funcionamento, os cursos EAD são obrigados a obedecer uma série de pré-requisitos (ver lista abaixo). Essas exigências, que já têm sido descumpridas e que não são suficientes para assegurar a qualidade do ensino, correm o risco de serem abolidas por decisão do MEC. A possibilidade foi anunciada pelo órgão, por meio de sua Coordenação-Geral de Regulação da Educação Superior a Distância - COREAD – DIREG, como proposta de alteração do Decreto nº 5.622/2005 (Regulamenta o art. 80 da LDB, que trata da Educação a Distância), atual marco legal vigente para a regulação do EAD.
O coordenador adjunto do FCFAS, representante do Conselho Federal de Biomedicina, Edgar Garcez, também encara a questão com preocupação. “A formação em saúde está centrada no cuidado com o ser humano. Não vemos como algo possível desenvolver este lado humanístico sem o contato com o paciente. Não há tecnologia que possa possibilitar o refino manual nas habilidades e competências necessárias no cuidado ao paciente”, justifica Edgar Garcez. “No caso da Farmácia, essa preocupação toma dimensão ainda maior na medida em que a profissão farmacêutica, impulsionada por mudanças verificadas nos últimos cinco anos, envereda cada vez mais em direção à prática clínica”, reforça o presidente do CFF.
O encontro foi aberto com a fala do presidente do CFF, do coordenador do FFCAS e do presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar), Ronald Ferreira dos Santos. Em seguida a coordenadora da Comissão Assessora de Educação Farmacêutica (Caef), do CFF, Zilamar Costa traçou um panorama do ensino EAD no país, apresentando as suas considerações a partir da realidade constatada no estudo, que inclui açougues e padarias funcionando onde deveriam estar localizados os polos presenciais das instituições que ofertam cursos EAD de Enfermagem. “A avaliação que se faz é que o ensino à distância na graduação tal como tem ocorrido, ainda não está adequado ao ensino da área da saúde com suas concepções de formação”, comenta.
Além dos representantes de todos os conselhos da área da saúde, estiveram presentes ao encontro lideranças das associações de ensino da Farmácia (Abef), Medicina Veterinária, Fisioterapia, Medicina, Odontologia, Nutrição, Psicologia e Terapia Ocupacional e das executivas de estudantes da Farmácia (Enefar), Medicina e Enfermagem. 
Para conferir as imagens do encontro, clique aqui.

FATOS QUE ATUALMENTE CONTRARIAM A OFERTA DOS 
CURSOS EAD NA GRADUAÇÃO EM SAÚDE
O interesse é preponderantemente comercial
O EAD é uma iniciativa na grande maioria do setor privado. As instituições particulares detêm 97% dessas vagas. Essa modalidade de ensino oferece, como atrativos, mensalidades de 150,00 em média, motivados pela redução dos custos operacionais.
Turmas gigantes
O resultado são turmas enormes, de mil alunos em média, sem considerar a necessidade das atividades práticas com permanente acompanhamento e supervisão docente. Na oferta dos cursos EAD, a lei exige momentos presenciais nas avaliações; nos estágios obrigatórios, e no trabalho de conclusão de curso, quando previsto na legislação; e nas atividades relacionadas a laboratórios de ensino.
Inviabilidade do estágio
O estágio supervisionado e as práticas de laboratório são sem dúvida, o nó crítico desta modalidade de oferta de ensino, para a área da saúde. O número excessivo de estagiários por supervisor de campo inviabiliza estágios com supervisão acadêmica e de campo articuladas. A supervisão e orientação para os estudantes passam a ser no máximo transmissão de informações, mas jamais formação profissional. Assim, surge um ensino com rebaixamento na qualidade de formação.

Contraditoriamente, os cursos EAD proliferam onde há mais cursos presenciais

Não há, portanto, necessidade social para o ensino de EAD. Ao invés de ampliar o acesso ao ensino superior, eles estimulam uma competição autofágica entre as IES onde há saturação de profissionais e grandes dificuldades de absorção no mercado de trabalho.
As proporções de vagas oferecidas em EAD não estão relacionadas às necessidades nacionais de profissionais
Estão autorizadas 9.320 mil vagas na Farmácia, sendo que a profissão congrega 215 mil farmacêuticos remanescentes de 529 cursos. O Brasil é o país que mais forma farmacêuticos no mundo, concentrando um terço do total de cursos graduação do planeta.
Há um déficit quantitativo de docentes capacitados no domínio da educação a distância
A formação dos professores não está pensada nem preparada para um ensino que, exige um tempo maior e uma dinâmica de aula muito distanciada do modelo tradicional de ensino de caráter transmissivo.
Pré-requisitos legais que hoje as instituições que oferecem curso EAD devem obedecer: 
• Obedecer às Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs). Resolução CNE/CES nº2/2002. Para ler, acesse http://migre.me/vRH6N
• Os diplomas e certificados só podem ser expedidos por IES credenciadas e registradas na forma da lei, para ter validade nacional.
• Os convênios e acordos de cooperação celebrados para fins de oferta de EAD devem ser analisados e homologados pelo órgão normativo legal.
• Ampliação da abrangência de atuação somente poderá ocorrer após o reconhecimento do primeiro curso a distância.
• As IES integrantes dos sistemas estaduais para oferecer EAD devem ser previamente credenciadas pelo sistema federal.
• O credenciamento terá validade condicionada ao ciclo avaliativo e normas do MEC.
• A IES credenciada deverá iniciar o curso no prazo de 1 ano, a partir da data de publicação do respectivo ato, ficando vedada a transferência de cursos para outra IES. Ou seja, uma instituição não pode “terceirizar” o curso EAD para o qual foi credenciada.
• Caso a implementação de cursos autorizados não ocorra no prazo definido, os atos de credenciamento e autorização de cursos serão automaticamente tornados sem efeito.
Infraestrutura necessária:
• Sede para as atividades presenciais obrigatórias.
• Polos de apoio presencial com suficiência de estrutura física, tecnológica e de recursos humanos, o que deve ser comprovado pelo MEC por meio de AVALIAÇÃO NO LOCAL DA OFERTA DO CURSO.
Fonte: Comunicação do CFF
Fonte:http://www.cff.org.br/noticia.php?id=4351