30 de out de 2016

CFF se alia ao CFM e ABNeuro em campanha de prevenção ao AVC

Os acidentes vasculares cerebrais (AVCs) são transtornos que afetam cerca de 16 milhões de pessoas no mundo, todos os anos. O atendimento médico precoce, logo após o aparecimento dos primeiros sintomas, evita sequelas e o farmacêutico tem muito a contribuir por meio do correto encaminhamento dos pacientes. Ele também pode ajudar orientando sobre as formas de prevenção. “Por isso, desde fevereiro deste ano, aderimos à campanha lançada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Academia Brasileira de Neurologia (ABNeuro) em prevenção ao AVC, e contamos com a cooperação dos colegas de todo o país”, explica o presidente do CFF, Walter Jorge João.


A campanha está no ar desde 2015 e foi idealizada como ação em alusão ao Dia Mundial do AVC, comemorado em 29 de outubro. A iniciativa envolve duas ações básicas: foi colocado no ar um site com informações sobre a doença, validadas por especialistas no assunto, e está sendo realizada uma ação de esclarecimento por meio de mídias sociais. Para visitar o site oficial da campanha acesse www.avc.cfm.org.br.

“Quanto mais pessoas souberem que é possível prevenir o AVC e que, na fase aguda, o serviço médico deve ser acionado imediatamente, menor o número de pessoas sequeladas”, defende Hideraldo Cabeça, conselheiro federal pelo Pará do Conselho Federal de Medicina (CFM) e membro titular da ABNeuro.

O conselheiro federal do CFM elogia a ação do CFF. “Muitas vezes, o farmacêutico é o primeiro profissional de saúde procurado por alguém que sofre um AVC. Com a adesão do CFF a esta campanha, teremos o apoio dos farmacêuticos para detectar precocemente os sintomas e encaminhar essas pessoas imediatamente para um hospital. A ação do CFF contribuirá para diminuirmos o número de sequelados pro AVC”, elogiou por ocasião da adesão do CFF à iniciativa.


Para saber se alguém está sofrendo um AVC (Acidente Vascular Cerebral), peça a pessoa para sorrir, levantar os dois braços e dizer uma frase simples. Caso o sorriso fique torto, um dos braços caia e ela não consiga repetir a frase, não necessariamente os três sintomas, provavelmente estará sofrendo um AVC, devendo ser encaminhada imediatamente a um hospital. Por conta disso, o paciente deve ser avaliado precocemente e receber tratamento em até quatro horas e meia para que as sequelas sejam menores. 

Fonte: Comunicação do CFF

http://www.cff.org.br/noticia.php?id=4138

17 de out de 2016

Medicamento semanal para Diabetes tipo 2 é lançado

Uma terapia semanal para o tratamento da diabetes tipo 2 agora está disponível no Brasil. O Trulicity, uma caneta que injeta o medicamento dulaglutida, da farmacêutica Lilly, já estava presente em dez países, entre eles EUA, Inglaterra, Japão e México.


A dulaglutida é uma substância que estimula o organismo a liberar insulina, hormônio que ajuda no controle do açúcar no sangue. Além disso, atrasa o esvaziamento do estômago.


A substância tem efeito análogo ao hormônio GLP-1, que é liberado quando a pessoa se alimenta e tem o efeito de estimular secreção de insulina.

O funcionamento do medicamento é semelhante ao da Victoza, liraglutida, que necessita de aplicações diárias.

Um relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde) lançado este ano, afirma que cerca de 422 milhões de adultos do mundo todo tinham diabetes em 2014. O número era de 108 milhões em 1980. Isso significa que atualmente cerca de 8,5% da população mundial apresenta a doença.

Em 2012, segundo o mesmo relatório, a diabetes provocou 1,5 milhão de mortes.

No Brasil, cerca de 8,1% da população vive com a doença, o equivalente a aproximadamente 16 milhões de pessoas.

A dulaglutida, em caixa com duas canetas, pode ser encontrado por valores próximos a R$ 230. A liraglutida pode ser encontrada a partir de R$ 375.

Com informações da Folha de S.Paulo

Juiz Federal reconhece legalidade das atribuições clínicas dos farmacêuticos

Juiz nega liminar pleiteada pelo CREMESP contra Resolução CFF nº585/13

Data: 17/10/2016

O juiz federal Francisco Alexandre Ribeiro, Tribunal Regional Federal da Primeira Região, Seção Judiciária do Distrito Federal, negou pedido de liminar pleiteado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) pela suspensão da Resolução CFF n° 585/16, que dispõe sobre as atribuições clínicas do farmacêutico. O entendimento do juiz é que não foi vislumbrada nenhuma ilegalidade na Resolução nº 585/2013, expedida pelo Conselho Federal de Farmácia, eis que referido ato normativo consta entre as suas atribuições devidamente discriminadas na Lei nº 3.820/60 e no Decreto nº 85.878/81.

Ao regulamentar as atribuições clínicas dos farmacêuticos não desbordou o Conselho Federal de Farmácia do âmbito legal de suas atribuições. Não criou novas atividades para a categoria dos farmacêuticos, apenas e tão-somente, regulamentou o desempenho de outros serviços e funções situados no domínio de sua capacitação profissional, nos termos precisos termos do inciso VI do Decreto nº 85.878/81. Para ler a íntegra da decisão clique aqui.

Fonte: Comunicação do CFF

http://www.cff.org.br/noticia.php?id=4123&titulo=Juiz+nega+liminar+pleiteada+pelo+CREMESP+contra+Resolução+CFF+nº585%2F13

14 de out de 2016

Justiça endossa legalidade da atuação do farmacêutico na saúde estética

A semana começou com duas decisões favoráveis à atuação clínica do farmacêutico, que é respaldada pela Resolução CFF nº 585/13. Depois de, na segunda-feira, ser cassada a liminar que anulava a validade da normativa no estado do Rio Grande do Norte, essa terça-feira, 11 de outubro, trouxe a boa notícia de uma decisão com teor semelhante do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. E dessa vez, a desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, além de manter em pleno vigor as duas resoluções sobre sobre as atribuições clínicas do farmacêutico e a prescrição farmacêutica, nº 585 e 586/13 (clique aqui para ver a íntegra), também decidiu favoravelmente em relação à legalidade da atuação do farmacêutico na saúde estética, prevista na Resolução CFF nº 616/15, mantendo posicionamento adotado pelo Juízo Federal da 8ª Vara do RS (clique aqui para ver a íntegra).

A ação em questão está sendo movida pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul. Essas decisões, conforme mencionado anteriormente, se somam a muitas outras já obtidas pelo CFF desde a publicação desta normativa e também da Resolução CFF nº 586/13, que autoriza os farmacêuticos a prescreverem medicamentos. Todas as investidas das entidades médicas contra as duas resoluções até agora foram infrutíferas, sejam em instâncias federais ou regionais. O presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João, reafirma o que disse sobre a decisão de segunda-feira: “não há, nas resoluções do CFF, usurpação das atribuições médicas. O que os farmacêuticos querem é, de fato, colocar sua expertise a favor da saúde das pessoas. E temos, sim, uma contribuição enorme para oferecer, que não pode continuar sendo menosprezada, principalmente em função de interesses corporativos.”

Walter Jorge João aborda também os questionamentos feitos em relação à atuação do farmacêutico na saúde estética. “Nenhum procedimento autorizado ao farmacêutico nas resoluções do CFF trata de procedimento invasivo ou cirúrgico. São procedimentos realizados inclusive por leigos em clínicas de estética, e aos quais o farmacêutico agregará valor e resultado, porque conhece a fundo os produtos utilizados. Somos nós, farmacêuticos, que os pesquisamos e desenvolvemos. Também somos nós que temos o conhecimento mais amplo sobre efeitos colaterais e reações adversas que eles possam causar.”

Para ler mais sobre a decisão que cassou liminar obtida pelas associações médicas Brasileira (AMB) e do Rio Grande do Norte, que suspendia, nesse estado, a Resolução do CFF nº 585/13, clique aqui.


 

Fonte: Comunicação do CFF

http://www.cff.org.br/noticia.php?id=4117

    6 de out de 2016

    Sem estoque na rede pública, jovem do DF reutiliza seringas de insulina

    Para não interromper o tratamento de diabetes, um adolescente de 17 anos do Distrito Federal passou a reutilizar as seringas e agulhas descartáveis para aplicação de insulina nos últimos cinco meses, desde que a Secretaria de Saúde deixou de fornecer os materiais. Segundo ele, a família já gastou mais de R$ 1 mil para comprar o insumo nesse período.
    O pai do jovem, Jonas Monteiro, diz que a família buscava as seringas no Centro de Saúde 2 de Sobradinho. Em maio, o estoque acabou e não foi reposto. Em nota ao G1, a Secretaria de Saúde disse que comprou os insumos em agosto mas, até esta quarta (5), ainda aguardava a entrega de 917,7 mil unidades – "quantidade suficiente para abastecer a rede pública por quatro meses".
    Por mês, Monteiro ganha cerca de R$ 1,3 mil como piscineiro – a mulher está desempregada e faz artesanato para ajudar na renda familiar. O filho do casal faz, pelo menos, três aplicações de insulina por dia. A diabetes tipo 1 foi descoberta há quatro anos e, neste tempo, a família sempre dependeu dos insumos fornecidos pelo governo.
    Com dificuldades para pagar as seringas, o adolescente passou a reutilizar as seringas para mais de uma aplicação. Um pacote com dez agulhas e seringas custa cerca de R$ 30 na farmácia, e é suficiente apenas para dois ou três dias.
    "No fim do mês, gastamos mais de R$ 200. Ele [o filho] aplica as doses de insulina de manhã, à tarde e à noite, além de outros momentos de necessidade, quando há picos de açúcar no sangue dele”, explica Monteiro.
    O material está disponível no estoque de outro Centro de Saúde a poucos quilômetros de distância, também em Sobradinho. Ao pedir as caixas, Monteiro foi informado por funcionários de que o sistema não permitia a retirada dos produtos em postos diferentes do que está indicado no cadastro.
    “Falam que não podem me dar e que só posso retirar as agulhas no posto da quadra 3. Se têm o material, por que não podem dar?", questiona o pai. Segundo a secretaria, "cada centro de saúde possui sua área de abrangência” e “pacientes cadastrados para aquisição de medicamentos e insumos". A pasta não explicou por que não pode fazer um remanejamento do estoque.

    Conta não fecha
    De acordo com o depoimento de Jonas Monteiro e os dados da Secretaria de Saúde, as agulhas e as seringas do Centro de Saúde 3 de Sobradinho acabaram em maio. A compra só foi iniciada três meses depois, em agosto, e ainda não foi concluída em outubro. Com isso, os pacientes que dependem desse suprimento estão há cinco meses sem assistência.
    Segundo o governo, o estoque vai chegar aos postos é suficiente para quatro meses. Isso significa que o lote comprado seria insuficiente para atender o período de escassez – mesmo se o carregamento tivesse chegado em maio, sem um único dia de interrupção no serviço, as seringas e agulhas já estariam em falta novamente nesta semana.
    Se a Secretaria de Saúde voltar a gastar cinco meses para identificar a falta de estoque, abrir licitação, contratar fornecedor, receber o produto e distribuir aos postos, os pacientes voltarão a ficar sem material para aplicar insulina no início de 2017.

    G1 questionou a pasta sobre o motivo dessa "compra parcelada" e a expectativa de garantir atendimento permanente, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem. Em julho, pacientes do Gama reclamaram da falta de seringas que já se prolongava por seis meses.

    Sem previsão
    Ao G1, Monteiro afirmou que continua perguntando no centro de saúde, "por obrigação", se os materiais têm previsão de chegada. Em todas as vezes, desde maio, a resposta é negativa.

    "Eu não tenho condições de continuar pagando por esses materiais. É sempre a mesma história: não tem previsão de chegar. Já escutei de uma funcionária que nós teríamos que 'nos virar' nos próximos meses", conta.

    Recentemente, ele foi informado por uma atendente de que as fitas do glicosímetro também estavam zeradas, sem previsão de reabastecimento. O aparelho faz a medição do nível de açúcar no sangue, indicando se há necessidade de aplicações extras de insulina. As fitas também são descartáveis.

    “Nós somos totalmente responsáveis pelas compras. Se acabarem as fitas, nossos gastos vão aumentar ainda mais. Até agora, a gente nunca parou de comprar os materiais, mas às vezes só conseguimos agulhas de calibre maior, que machucam mais, agora as fitas. Isso não era para estar acontecendo”, diz o pai.

    Fonte: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2016/10/sem-estoque-na-rede-publica-jovem-do-df-reutiliza-seringas-de-insulina.html



    4 de out de 2016

    Fórum Ético sobre Propaganda Farmacêutica

    Acontece no dia 14 de outubro, no Rio de Janeiro, o Fórum sobre Publicidade Farmacêutica, evento de iniciativa do Conselho Regional de Farmácia para discutir e debater a ética, as boas práticas, penalidades e infrações éticas e limites relativos a propaganda farmacêutica.

    Convidamos os farmacêuticos que possuem consultório, os farmacêuticos do movimento clínico e esteta, os gestores de consultórios farmacêuticos e farmácias que ofereçam serviços farmacêuticos e os demais interessantes para participarem.

     Evento: Fórum Ético sobre Propaganda Farmacêutica

    Data: 14/10/2016
    Horário: 17h às 20h
    Local: Auditório da Universidade Veiga de Almeida (sala A 206)- rua ibituruna 108, Tijuca, Rio de Janeiro.

     Programação preliminar:

    - Abertura
    - Palestra: Boas práticas em divulgações dos atos farmacêuticos
    - Palestra: Propaganda e infrações éticas 
    - Debate: Legislação e propostas de ações como meio de prevenção das infrações éticas em publicidade farmacêutica

    Palestrantes: CRF-RJ e Jurídico

    Convidados: entidades farmacêuticas, farmacêuticos clínicos, farmacêuticos estetas, lideranças do movimento da farmácia clínica e outros.

    Requisito para inscrição: ser Farmacêutico regularmente inscrito no CRF-RJ ou Acadêmico de Graduação em Farmácia

    Vagas Limitadas - As inscrições solicitadas serão confirmadas respeitando a ordem de recebimento das solicitações e o número de vagas disponíveis.

    Evento Gratuito -  Solicitamos doação voluntária de um pacote de fralda geriátrica ou uma lata de leite em pó ou um pacote de 1 kg de ração para cães – entregar no dia do Seminário.

    Certificado de participação: será emitido digitalmente e enviado via e-mail para os farmacêuticos e acadêmicos que participarem do evento. O certificado será enviado em até 10 dias após o seminário.

    Mais informações: (21) 3872-9213 (9 às 18h, dias úteis) e patriciasantana@crf-rj.org.br

    Realização: Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro

    Inscrição: http://www.crf-rj.org.br/noticias/crf-rj-em-acao/2554-forum-etico-de-propaganda-farmaceutica.html

    3 de out de 2016

    O CRF-RJ está realizando a Campanha do OUTUBRO ROSA!

    Mande sua foto com uma blusa rosa para o email: imprensa@crf-rj.org.br e divulgaremos no site do CRF-RJ.
    Realizaremos uma ação social de conscientização em Caxias dia 22 de outubro, de 9h às 13h,  inscrições no email: bibicastelo@ig.com.br.


    E divulgaremos depoimentos de mulheres guerreiras que venceram o câncer de mama.

    Registrados medicamentos inovadores para câncer de pele Produtos tratam dois tipos de câncer de pele, o carcinoma basocelular em estágio avançado e o melanoma metastático

    Nesta segunda-feira (3/10), a edição do Diário Oficial da União (DOU) traz dois medicamentos inovadores registrados pela Anvisa para tratar o câncer de pele do tipo carcinoma basocelular, em estágio avançado, e um novo medicamento biológico para melanoma com metástase.

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um novo medicamento para o tratamento do carcinoma basocelular avançado. Trata-se do medicamento Erivedge (vismodegibe) da empresa Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A.

    Na mesma edição do DOU está o registro do Keytruda® (pembrolizumabe), um produto biológico novo. O produto Keytruda® (pembrolizumabe) foi aprovado para a indicação terapêutica como monoterapia para o tratamento de pacientes com melanoma metastático ou irressecável.

    O Keytruda® (pembrolizumabe) foi registrado como produto biológico novo, de acordo com a Resolução da Diretoria Colegiada 55, de 16 de dezembro de 2010, a RDC 55/2010.

    Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/registrados-medicamentos-inovadores-para-cancer-de-pele/219201?p_p_auth=yysxnKzM&inheritRedirect=false&redirect=http%3A%2F%2Fportal.anvisa.gov.br%2Fnoticias%3Fp_p_auth%3DyysxnKzM%26p_p_id%3D101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D5

    Palestra Internacional - Como Potencializar a Lucratividade da Farmácia na Era dos Serviços Farmacêuticos

    ASCOFERJ trás o Dr. João Pedro Matos, farmacêutico português e consultor especialista em estratégia e gestão de marketing farmacêutico na empresa iD CONSULTING®, em Portugal


    Inscrições: http://www.ascoferj.com.br/eventos/lucratividade-do-varejo-farmaceutico-na-nova-era-de-servicos-farmaceuticos-oportunidades-e-novos-desafios/?utm_campaign=Capacita%26ccedil%3B%26atilde%3Bo+Mensal&utm_content=Lucratividade+do+varejo+farmacêutico+na+nova+era+de+serviços+farmacêuticos+Palestra+Internacional+com+João+Pedro+Matos+no+Rio+de+Janeiro+–+ASCOFERJ+%7C+Associação+do+Comércio+Farmacêutico+do+Estado+do+Rio+de+Janeiro+%281%29&utm_medium=email&utm_source=EmailMarketing&utm_term=rio+-+Como+Potencializar+a+Lucratividade+da+Farmácia+na+Era+dos+Serviços+Farmacêuticos#inscreva

    2 de out de 2016

    Horário de verão começa em 16 de outubro e vai até 19 de fevereiro

    Moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país deverão adiantar os relógios em uma hora a partir do próximo dia 16, quando começa o horário de verão. A medida busca proporcionar economia de energia, aproveitando o maior tempo de incidência da luz do sol. A mudança permanece em vigor até o dia 19 de fevereiro de 2017.


    O horário de verão será adotado pelo Distrito Federal e pelos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

    A medida afeta principalmente o consumo de energia no horário de pico, entre 18h e 21h. Na temporada passada, entre o fim de 2015 e o início de 2016, a adoção do horário de verão reduziu a demanda por eletricidade em 2,6 mil megawatts(MW), ou 4,5% do consumo médio dessas três regiões.


    A queda no consumo permitiu ao país poupar água dos reservatórios de hidrelétricas nessas regiões. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o Brasil também economizou R$ 162 milhões ao reduzir a necessidade de uso das usinas termelétricas, que têm energia mais cara.

    Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/10/horario-de-verao-comeca-em-16-de-outubro-e-vai-ate-19-de-fevereiro.html

    1 de out de 2016

    Farmacêutico na Praça com Dra Cassia Hispagnol

    Muito orgulhoso com o trabalho, empenho e dedicação da Dra Cassia Hispagnol vem desenvolvendo para aumentar a visibilidade da profissão farmacêutica.





    Farmacêutico na Praça 

    Aferição de pressão 

    Teste de glicemia

    Atenção Farmaceutica