7 de fev de 2016

Zika: Agência dos EUA aconselha casais esperando bebês a usar camisinha ou se abster de sexo

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC, na sigla em inglês) afirmou nesta sexta-feira que a transmissão sexual do zika vírus é possível e divulgou novas recomendações para homens e mulheres.

"A transmissão sexual do zika é possível, e é uma preocupação principalmente durante a gravidez", afirma o boletim, que sugere a casais que estejam esperando um bebê a usar camisinha ou não fazer sexo durante toda a gravidez.

"Homens que moram ou que tenham viajado para uma área onde a transmissão do zika seja ativa e que tenham uma parceira grávida devem se abster de atividades sexuais ou usar a camisinha de maneira consistente e correta durante o sexo (oral, vaginal ou anal) por todo o período da gravidez", diz o informe.

"Mulheres grávidas devem informar seus médicos ou profissionais de saúde sobre potenciais exposições ao mosquito de seus parceiros e sobre o histórico deles de doenças com sintomas semelhantes aos do zika."

O CDC também afirmou que homens que não estejam se relacionando com mulheres grávidas, mas vivam ou tenham passado pelas áreas de risco e estejam preocupados com transmissão sexual, também devem considerar abstinência ou usar preservativo. E disse ainda que, "após a infecção, o zika vírus permanece no sêmen quando já não é mais detectado no sangue".

Casos suspeitos

Segundo o CDC, as informações sobre a possível transmissão sexual do zika vírus são baseadas em informações de três casos que intrigam os pesquisadores.

O caso mais recente ocorreu no Estado do Texas. Em entrevista à BBC, a vice-diretora do CDC, Anne Schuchat, disse que “o laboratório confirmou o primeiro caso de zika vírus em um não viajante. Nós não acreditamos que o contágio tenha ocorrido por meio de picadas de mosquito, mas sim por contato sexual”.

Questionada sobre a confirmação, Schuchat explicou que, até o momento, não há outras formas plausíveis que possam dar conta da transmissão, já que uma pessoa esteve na Venezuela, voltou aos EUA, apresentou sintomas de zika e teve contato sexual com o parceiro, que acabou infectado.

O caso no Texas soma-se a outros dois que, embora não comprovados, são amplamente citados na literatura científica. Em um deles, o vírus foi detectado no sêmen de um paciente e, no outro, um cientista que havia estado em uma área de contaminação por zika teria infectado sua mulher ao voltar aos EUA.

Em 2013, durante um surto de zika na Polinésia Francesa, o vírus foi detectado no sêmen de um homem de 44 anos. Ele havia apresentado sintomas típicos da infecção: febre, dores de cabeça e nas articulações. Após alguns dias, o paciente notou vestígios de sangue no sêmen e procurou atendimento médico. Exames detectaram o vírus no material coletado.

Neste caso, não houve a comprovação de infecção de uma segunda pessoa pela via sexual, mas sim da contaminação do sêmen pelo chamado vírus replicante, ou seja, capaz de gerar a propagação da doença.

"Nossas descobertas apoiam a hipótese de que o zika pode ser transmitido por via sexual", conclui artigo disponível no site do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

No segundo caso de possível contaminação sexual, o sêmen do paciente com zika não foi examinado. No entanto, a mulher dele teve o diagnóstico de zika e a única explicação plausível seria o contágio sexual.

Foi o caso do cientista americano Brian Foy, em 2008. Ele havia visitado uma região do Senegal afetada por zika e, ao retornar para casa, no Colorado, Estados Unidos, teria infectado a mulher durante uma relação sexual um dia após seu retorno.

"Vivemos no Colorado, um Estado americano onde não há mosquitos na época do ano em que minha mulher contraiu o vírus. E onde não há ocorrência do Aedes aegypti (o mosquito transmissor do vírus). O mais provável é que minha mulher tenha sido infectada quanto tivemos relações, antes de eu me sentir doente, mas a ciência ainda não está nem perto de provar a possibilidade desse tipo de contágio", contou Foy à BBC Brasil.

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160205_zika_cdc_sexo_mdb

Nenhum comentário:

Postar um comentário